sexta-feira, 20 de julho de 2018

Conto sobre a vivência na Cidade



Conto sobre a vivência na Cidade: A Praia.


Um fim de semana ensolarado no Rio.
Íris abre sua janela;
Vê o céu azul, quase sem nuvens e sente a primeira baforada da manhã  -  “milgrau” - vento quente, típico dia de verão carioca, em que se torna insuportável o estar em casa. Chegaram às férias de Janeiro e no Morro Santa Marta, onde Íris mora não tem muitas opções de lazer.
Primeiro pensamento do dia, “praia” com os amigos...

Íris passa um “zap” para as “migas” e combina o encontro na barraca do “Paulo e Jairo” no posto-9 em Ipanema...
O chegar à praia se torna um evento único... depois de conhecer o autor August Endell na Universidade e ler seus ensaios sobre a rua, ela decide experimentar a “cultura dos olhos” no espaço urbano em que vive.
Íris como moradora de Botafogo, prefere neste caso ir de metrô ao ônibus. Neste dia em que decide turistar em sua cidade, e fazer o percurso com outros olhares da rua, ela se conecta com o que há de sublime na sua trajetória ao mar, o transitar e se deixar levar.

Ao sair do metrô na Praça General Osório, ela se depara com uma feira, que no seu cotidiano como moradora da cidade desde que nasceu, seria um evento normal, apenas uma “feira”. Mas desta vez, ela vê uma diversidade de pessoas trabalhando com variedades de produtos, sejam roupas, comidas, artesanatos, acessórios, bolsas, quadros e uma infinidade de aparatos de casa.  Sempre como passante, desta vez, decide parar e conversar com alguns artesãos, olhar cada material, reparar nas estampas de Arte Naif pintadas à mão nas camisas, que estavam sendo comercializadas para os turistas.

Neste aproveitar o dia, se sente como “gringa” na agitada zona sul de fim de semana em mês de férias, onde rostos diferentes se cruzam, diversas nacionalidades e idiomas inundam os sons dos transeuntes. A maioria dos moradores locais neste mês ensolarado parte para as suas viagens internacionais. Outros chegam, com expectativas de curtir a cidade e se aprofundar na cultura local.

Muitas pessoas chegam com a mesma ideia de aproveitar um dia de sol na praia mais urbana do “pedaço”. Afinal de contas, Ipanema é puramente um ostentar nato carioquês – regado de musas em canções do Vinícius de Moraes. “Só que não”...
Nesse frenesi de chegar à praia, muitos vão de ônibus, chegando de diversas partes da Cidade, meninos surfando em seus tetos, vans lotadas, carros, outros chegam de skates, patins, bicicletas, a pé ou metrô.

Neste percurso do metrô a praia, Íris se vê monitorada, muitas câmeras a acompanham nas ruas e olhares dos mais diversos apontam em sua direção. Mas ela não se intimida, anda observando tudo com um olhar de descoberta e investigação, sente-se “divando” com sua havaiana preta, short jeans rasgado, camiseta branca, óculos do camelô, mas... igual ao “ray ban” original e sua bolsa de lado, contendo os mais diversos aparatos para se embelezar no pós-praia. Afinal, ela também queria ser vista, como a musa de Ipanema, mesmo que por instantes.

Nas ruas que se conectam a praia, há um número variado de bares com suas mesas e cadeiras nas calçadas, onde o clima quente impulsiona o “flâneur” botequeiro.  Mas Íris segue seu caminho chegando a Avenida Vieira Souto. Fechada para carros aos domingos, esta avenida permite um balé urbano, com intensidade de endorfina no ar. Muitos fazem seus exercícios matinais, exibindo seus corpos malhados, suados e depois um “tibum” no mar para recarregar e se energizar para a semana que segue.

Ao caminhar na calçada ela vê diversos grupos jogando vôlei de praia e futebol de areia... ops... - ­­ ela avista o Romário e o Renato Gaúcho, mas pensa, nada de fotos!... eles são locais por aqui como eu.... - e continua sua caminhada como personagem que interage e se conecta com o entorno.

Chegando à barraca do “Paulo e Jairo” no posto-9, pede sua cadeira, a água de coco e se coloca frente ao mar. Enquanto toma sua água, avista grupos de turistas e ri sozinha, enquanto espera a galera chegar, como se fosse uma também.
Sentada em sua cadeira em frente ao mar, fecha os olhos, escuta sons não familiares, idiomas diversos, gargalhadas, cheiro do churrasco do “Argentino” com molho chumichurri e pensa que a vida urbana é carregada de mazelas, mas a beleza da rua e da cidade está no olhar.

Neste revelar da metrópole, como interagir e se conectar a todos esses estímulos?
Assim com Endel (2002), a rua é igualmente o lugar privilegiado da vivência de uma experiência social, transformada em percepção estética. [...] A rua, tal como, é o espaço por excelência dessa experiência, pois nela é possível viver plenamente o choque perceptivo e psicológico causado pela presença da multidão.
Para Endell bem como Íris o cotidiano da cidade atraí, o percurso e o ócio na praia foram à resposta para a personagem deste conto.

Autora: Regina Silva

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Amantes de Kokedama



Dieffenbachia amoena
(nome popular: difembáquia) 
Usada para decoração de interiores com folhagens muito atraentes. Originária da Colômbia e Costa Rica, possuem flores no verão, mas sem valor ornamental - sua altura chega até 50 cm.


sábado, 16 de junho de 2018

Olá amigos e clientes, 
Ontem furtaram meu celular, o contato no momento somente por email e facebook. 
Por favor, me enviem seus números inbox.


 email: reginasilvapaisagista@gmail.com

sexta-feira, 16 de março de 2018

segunda-feira, 5 de março de 2018


Projeto Hortas Urbanas
Na Biblioteca social/Saracuruna - RJ

Aproximar as pessoas da natureza, interação social, alimentação saudável, essa é a proposta deste projeto.


sexta-feira, 2 de março de 2018


DAS UTOPIAS

"Se as coisas são inatingíveis...ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
A presença distante das estrelas."
(Mario Quintana)


terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Bonsai no Sesc Niterói



Mini Curso de Bonsai 

(Profs.: Elcio e Regina)
Mais um desafio concluído com sucesso, foram 9 horas de intenso aprendizado sobre a Técnica Bonsai no Sesc Niterói projeto Sesc+Verde.


Tópicos abordados:
História;
Estética;
Cuidados;
Estilos;
Solo;
Regas;
Adubação;
Podas;
Raiz.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Pequenos espaços


Pequenos espaços, pequenos jardins.
Com pouco investimento pode-se fazer uma composição acolhedora.
Jardim C.E.L.A
Niterói


(canteiro antes)


(canteiro depois)

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Composição


Kokedamas

     * Respeito a diversidade ecológica;
 * Relação com a natureza;
* Equacionamento aos recursos naturais;
 * Relações com os outros;
   * Ética e Responsabilidade com a natureza.